ESEC e ABC apostam na formação de docentes das AECs

2018-07-27 Geral


Dar mais competências, em várias áreas, aos formadores das Actividades de Apoio Curricular (AECs) é o objectivo do protocolo assinado, hoje, pela Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC) e pela Associação de Basquetebol de Coimbra (ABC).

O acordo, que inclui ainda a Associação Olhar 21 – Associação de Apoio à Inclusão do Cidadão com Trissomia 21 e a Cavalo Azul – Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência, prevê formação de docentes nas áreas de dança, desporto, música e teatro.

A leccionação destas competências está a cargo da ESEC, cuja ponte com os agrupamentos de escolas de Coimbra com AECs é feita pela Associação de Basquetebol. A ideia desta parceria partiu, precisamente, da ABC, que convidou a Escola Superior a realizar a formação dos docentes, um convite aceite de imediato.

A instituição de ensino irá “prestar serviços de acompanhamento científico, técnico e pedagógico”, nas áreas já mencionadas, que serão dinamizados pelos docentes da ESEC durante o ano lectivo de 2018/2019.

Os formandos interessados podem candidatar-se, independentemente da sua formação de base, sendo depois sujeitos a uma selecção por parte da ESEC. Aqueles que venham a frequentar as formações são depois, sujeitos a reuniões mensais com os professores responsáveis por cada área, no sentido de “supervisionar o trabalho e reforçar o acompanhamento científico e técnico-pedagógico”, segundo o acordo de cooperação.

“Consideramos que as crianças passam muito tempo na escola e o objectivo é juntar as pessoas, as instituições e as suas competências para dar outra dimensão aquilo que são as Actividades de Apoio Curricular”, explicou Luís Santarino, presidente da ABC, adiantando que a Associação já está em contacto com todos os agrupamentos de Coimbra.

Embora o desporto, e em particular o basquetebol, assuma um papel importante, o responsável pela ABC diz que o importante “não é apenas trazer crianças para o basquetebol, mas sim que os jovens saibam mais de música, de desporto, de comunicação, etc.”, algo que melhorará a sua vida, quer a nível profissional como académico.

Segundo César Nogueira, vice-presidente da ESEC, “a escola tende a exagerar na oferta de saberes e experiências, ocupando as crianças em demasia”, por isso, “não se pretende aumentar a carga lectiva nem o tempo de escola, mas sim que os formadores brinquem com as crianças”.

Classificando-o como “um projecto ambicioso mas simples”, o objectivo é que os mais pequenos “brinquem na escola, ocupando-os de uma forma lúdica mas interessante”.

O objectivo é, sem dúvida, “aumentar a qualidade de formação dos alunos e reensinar as crianças a brincar nas escolas”, conclui César Nogueira.

No caso das duas instituições também envolvidas neste acordo – a Olhar 21 e a Cavalo Azul, a ideia é que possam colaborar no sentido de sinalizarem e apoiarem situações mais difíceis com crianças portadoras de deficiência.

 

 

Na foto, da esquerda para a direita: Ana Paula Moreira (Cavalo Azul), Ana Bela Caetano (Olhar 21), Cristina Leandro (Dança), Margarida Torres (Teatro), Luís Santarino (presidente da ABC), César Nogueira (vice-presidente da ESEC), Cristina Faria (Música) e Rui Mendes (Educação Física)

 

Fonte: Campeão das Províncias